PODE O CRISTÃO "MORRER DE CIÚMES?"

DEFINIÇÃO COMUM: sentimento gerado pela suspeita da infidelidade de um parceiro.

Considerada uma das emoções humanas mais potentes, já todos nós sentimos ciúmes numa ou noutra altura das nossas vidas. Dependendo da nossa personalidade, situação e circunstâncias envolventes, o ciúme pode variar em termos de tipo e de grau de intensidade  desde  um  leve  ciúme  a um sentimento insano, paranóico, doente, insuportável para quem sente e doído, perigoso, para quem o sofre. O que intriga os estudiosos, e sobretudo os amantes, é a dificuldade em definir a linha difusa entre os dois extremos. Ficar do lado certo é o único modo de sobreviver, administrar e tirar proveito desse vulcão do qual ninguém está a salvo.  Porém, uma relação na qual se desconfia de tudo o tempo todo não sobrevive.  Embora existam pessoas com mais e menos tendência para serem ciumentas, a verdade é que ninguém lhe escapa.

 

SERIA  O  CIÚME  UMA  PROVA DE AMOR ?

 

Freud falava  de  um  tipo  de  ciúme  que  ocorre devido à concorrência com o rival, que inclui uma ferida narcísica. Esse tipo se deve mais a uma questão de narcisismo , de se perder o ser amado, e de uma competição pessoal com o outro - de modo que, num aspecto ou no outro, o que está em questão é mais o amor próprio do que o amor ao outro, explica André Martins, filósofo e psicanalista, doutor em filosofia e em teoria psicanalítica e professor associado da UFRJ, onde coordena o grupo de pesquisas Spinoza & Nietzsche.   NADA  A  VER  COM  AMOR

 

COMPORTAMENTO  DO  CIUMENTO

 

1. Interrogatórios excessivos. As pessoas que têm muitos ciúmes do seu companheiro(a) têm por hábito questioná-lo acerca de tudo o que se passou no seu dia ou numa saída com amigos. Os interrogatórios são longos e até aborrecidos porque a pessoa ciumenta quer saber tudo o que aconteceu – até ao mais pequeno detalhe – durante o tempo em que não estiveram juntos,  PRINCIPALMENTE  PARA   VER  SE  A(O)  PEGA  EM  CONTRADIÇÃO.

 

2. Comentários sobre a forma como se veste. E pode incluir desde comentários negativos sobre roupa que não lhe fica bem (mesmo que fique) a “proibições” claras sobre o que pode ou não vestir, sendo que muitas vezes a pessoa ciumenta admite que apenas pode vestir determinada roupa quando sai com ele/ela.

 

3. Escolta pessoal para todo o lado. Os ciúmes também se manifestam através da vontade e insistência contínua para acompanhar ou levar o companheiro(a) a todo e qualquer sítio, mesmo aos mais habituais ou desinteressantes. Há quem faça questão de ir buscar o seu parceiro(a) ao trabalho, simplesmente porque não quer que ele/ela vá tomar um café com os colegas de escritório no final do dia, por exemplo.

 

4. Dezenas de telefonemas diários. Se todos os dias recebe dezenas de telefonemas ou SMS do seu namorado(a) a perguntar onde está, o que faz, com quem, até que horas e porquê… o mais certo é estar a ser controlado por uma pessoa ciumenta. Não confunda preocupação com possessão.

 

5. Zanga-se se olha para alguém do sexo oposto. Por norma, quem tem ciúmes – seja homem ou mulher – sofre de baixa auto-estima/auto-confiança e vive com receio de perder o seu parceiro(a), ou seja, o simples facto de olhar para alguém do sexo oposto (mesmo que seja inocentemente), é o suficiente para desencadear uma cena de ciúmes. Para além disso, muitas vezes, a pessoa ciumenta acusa o seu companheiro(a) de estar a observar outro homem ou mulher, mesmo que não esteja.

 

6. Interferência na vida social. As relações amorosas são apenas uma parte da vida social de qualquer pessoa, que geralmente inclui ainda amigos, família e passatempos pessoais. As pessoas ciumentas tentam muitas vezes minar os planos do seu companheiro(a) porque, para além de terem medo de estarem ou de ficarem sozinhos, não gostam da idéia do seu parceiro(a) fazer planos e divertir-se sem ele/ela. É habitual fazerem planos mesmo sabendo que o namorado(a) já tem algo combinado, mas obrigam-no a desmarcar os seus. Aos poucos, podem tentar afastar o seu parceiro(a) de todas as outras pessoas que fazem parte da sua vida.

 

7. Discussões frequentes. Numa relação em que uma das partes é ciumenta, as discussões são frequentes e intensas, normalmente despoletadas por “pequenos nadas” e alastrando para cenas de ciúmes desproporcionadas. Estas discussões podem ainda ser marcadas por um tom dominante por parte da pessoa ciumenta, que pode mesmo ameaçar verbal ou fisicamente o outro(a).

 

8. Vigilância constante. Quem é ciumento procura controlar cada passo dado pelo seu parceiro(a) – desde verificar as chamadas e SMS do telemóvel, até ler os emails e abrir o correio, passando por mexer na carteira, bolsos de casacos e até segui-lo. Pode estar a ser controlado se o seu parceiro(a) aparecer frequentemente de “surpresa” no local onde costuma almoçar com os colegas de trabalho ou se se cruzarem por “coincidência” no sítio onde combinou tomar café com um amigo(a).

 

9. Acusações de infidelidade. Mais do que ter ciúmes, as pessoas ciumentas têm necessidade de os comunicar, ou seja, qualquer situação – trabalhar até tarde, um almoço de família ou uma má disposição – que obrigue os elementos do casal a estarem separados, serve para a pessoa ciumenta acusar o outro(a) de ser infiel.

 

10. Cenas de ciúmes. Uma relação marcada pelo ciúme é invariavelmente marcada por cenas de ciúmes e estas tanto podem ser em privado, como em público. Porém, se cada saída acaba por ser estragada por um ataque de ciúmes – independentemente de estarem rodeados de amigos, familiares ou estranhos – é porque alguém estava a controlar alguém, em vez de desfrutar da sua companhia.

FONTE: https://ciumes.com/artigos/10-sinais-que-esta-ser-controlado-ciumentoa

 

A  Bíblia  não  diz  que  não  podemos  ter  ciúmes,  mas  fala  com  todas  as  letras  que  “o  amor  não  arde  em  ciúmes”.  O  ciúme  que  maltrata   é  um  ciúme  egoísta,  não  é  prova  de  amor.  O  amor,  diz  a  Bíblia,  é  paciente,  é  benigno,  não  arde  em  ciúmes,  não  busca  seus  próprios  interesses,  não  se  conduz  inconvenientemente, não se irrita, não suspeita mal (1 Coríntios 13:5) .  O ciúme, especialmente o ciúme excessivo, não é expressão de amor , pelo contrário: o ciúme maltrata, deseja o mal do outro,  suspeita  mal,  é  impaciente,  porta-se  inconvenientemente.

 

 O  CIUMENTO  É  CHEIO  DAS  “OBRAS  DA  CARNE”

 

Das  obras  da  carne,  citadas  em  Gálatas  5:19-21,  o  ciumento  possui  todas  as  que  se  relacionam  com  o  próximo: inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões.   Além  disso  outras  como  invejas,  homicídios,  bebedices  “e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. O  ciúme  pode  nos  conduzir  ao  inferno,  conforme  nos  adverte  o  apóstolo  Paulo.

 

O  CIUMENTO  É  DESTITUÍDO  DO  FRUTO  DO  ESPÍRITO

 

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, domínio  próprio. Contra estas coisas não há lei. Gálatas 5:22-23

O  ciúme  rouba-nos  o  amor  (amor  próprio,  devido  à  baixa  auto-estima,  e  amor  pelo  outro),  rouba-nos  a  alegria,  tira  a  nossa  paz,  a  nossa  paciência  (longanimidade),  nossa  bondade,  nossa  mansidão  (o  ciumento  comumente  grita  e  se  irrita  facilmente  com  o  companheiro  além  de  odiar  os  “rivais”)  e  nos  tira,  por  fim,  o  auto  domínio.

 

Concluindo,  se  você  é  dominado  pelo  ciúme,  você  é  uma  pessoa  cheia  de  sentimentos  não  cristãos,  que  poderão  conduzi-lo  ao  inferno.  Repetindo  as  palavras  do  apóstolo:  “não  herdarão  o  reino  de  Deus  os  que  tais  coisas  praticam”.  Arrependa-se  e  abandone  esse  múltiplo  pecado,  pois  nosso  Deus  é  rico  em  perdoar.  Que  Ele  lhe  abençoe!.  Amém.